sábado, 16 de março de 2013

Vai sem parágrafo, mesmo

Nossa conversa fluiu de primeira. Um dia, você apareceu com aquela blusa cor-de-rosa e eu disse para mim: "já era". E já tinha sido, mesmo: o nome da minha vontade já era o teu. Rápido demais (mas de um jeito bom), me vi te pedindo um beijo. Já sabia que você queria que eu ganhasse teu beijo... Não me custou nada pedir. Nada me custa, aliás, quando se trata de você. Não me custou, por exemplo, escrever uma música para você assim que cheguei em casa, ainda trêmula do nosso beijo. Não me custou guardar na minha caixinha de lembranças o papel daquele chocolate que você comprou para mim, como se eu fosse uma menininha de 5 anos apaixonadinha por alguém na escola. Não me custou confessar que penso em você, agora, quando compro um vestido, porque sei que você acha bonito. Não me custou te convencer a assistir um musical usando um vídeo da Penélope Cruz de lingerie como argumento. Não me custou te contar minhas histórias, das mais complicadas às mais simples, e ouvir as tuas, de volta. Não me custa ser eu mesma, sem medo, sem pudor e sem bloqueios, o tempo inteiro, desde que ao teu lado. Não me custa não pensar, e só deus sabe o quanto isso é diferente para mim, que costumava pensar tanto. Não me custa não ficar tensa, mesmo conversando sobre assuntos sutis, como ciúmes, ex, neuroses particulares ou até sobre a gente. E mesmo ficar constrangida com as suas cantadas baratas (ou com as caras), não me custa. Não me custou perceber como é bom ter meu coração acelerado com as tuas declarações tímidas e beijos incisivos. Você não me ensinou só uma palavra que eu não conhecia: tem me ensinado a viver o significado dela.  Desde que você apareceu na minha vida, eu me sinto dentro de um filme. Já te disse isso, acho. E, sabe, é um filme muito legal. Gosto do figurino, do elenco, dos cenários, da trilha sonora e das falas. Elas fluem. Tudo flui! Lembra quando você perguntou se eu tinha vontade de fazer alguma tatuagem? Pois é, mudei de ideia: tenho sim. Quero tatuar alvedrio na minha alma. Já escrevi o a sozinha. Quero escrever o l, o e, o d, o r, o i e o o com você. Topa?

2 comentários:

  1. QUE LINDO.
    Faz muito tempo que não passo aqui, puxa :(

    Mas de qualquer forma: amei. Nunca nos custa o que quer que seja quando estamos com alguém que vale a pena.

    ResponderExcluir
  2. Querida amiga

    Há nas palavras
    que nos fazem sentir
    o perfume da vida,
    o milagre da eternidade.

    Que os sonhos
    encham de luzes
    os teus caminhos.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo comentário! Vou ler, e depois publico e respondo, ta?